sábado, 14 de abril de 2018

Morcegar: técnica ou arte?

Olá, pessoas serelepes. Estou meio que requentando alguns textos que já tinha escrito em um blog que tive faz muuuuuito tempo e que foi excluído (eu acho, mas vocês sabem como que são os Googles, Facebooks da vida), pelo motivo de falta de tempo. Eu também estou enrolado para estudar investimentos, parece que tudo conspira contra, porque você tem coisa pra fazer mas seu tempo é curto e que seu trabalho é uma perda de tempo. Mas esse texto é um tanto quanto interessante. É sobre o ato de morcegar. Para quem não sabe, é enrolar, matar o tempo, dar uma espairecida por aí.


Resolvi abordar esse tema porque eu fico pensando nisso desde quando eu comecei minha vida profissional. Comecei trabalhando em um hipermercado, eu era uma pessoa direita (ERA!!!), passava o crachá no horário, ia pro meu posto, tudo numa boa. Mas eu tinha um colega que simplesmente morcegava de forma exemplar. Ele fazia praticamente 2 horas de almoço, claro, passando o crachá no horário correto, que é de uma hora. Quando não, ele vagava pela loja, se escondia no depósito, nas docas. Isso quando estava tranquilo o movimento, ou seja, na maioria das vezes. Depois desse exemplo, eu pensei: "Caralho, como ele consegue?!?"

Então tentei copiá-lo, quando eu queria. Fui repreendido severamente. Mas ele também era repreendido, e fazia mesmo assim. Pô, se tivesse Twitter na época, eu ia xingar muito. Mas o que eu percebi é que ele tem essa habilidade, ou um dom. E depois ficava me questionando: "PQP, como ele consegue E EU NÃO?!?"


Esse ato de morcegar tornou-se uma vertente na minha vida, ainda mais onde vivemos numa sociedade onde é cultivado, e até incentivado dependendo do lugar, essa coisa. O brasileiro nada mais é do que um malandrão, um meninão querendo tirar vantagem de tudo. Vejo que esse ato tem que ser moldado de acordo com o lugar onde você se estabelece ou trabalha. Portanto, era para ter uma ordem lógica. Mas também há a parte humanística da bagaça, que faz com que o enrolador tenha uma certa influência e eficácia nesse ato, ou seja, um alfismo na área. Portanto, é complicado definir bem nosso jeito de enrolar.

Atualmente, eu enrolo quando posso, para tentar me livrar um pouco do tédio e do serviço puxado que cansa a cabeça. Mas tem que ser sob medida, se eu enrolo mais sou repreendido. E o pior é que essas mesmas pessoas que me repreendem, enrolam com um certo glamour, são profissionais. É complicado a pessoa dar o exemplo e você não poder fazer. Mas, como um bom estudante dessa matéria de enrolar, pretendo fazer um TCC, ou uma dissertação, quiçá uma tese sobre essa arte de enrolar. Mas preciso da ajuda de vocês; na sua opinião: morcegar é uma técnica ou arte?

13 comentários:

  1. O que os malandores davam o golpe no exercito e se safavam e eu não, era foda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, uma merda mesmo, para os fdp o radar de betas funciona muito bem para pegar e foder com a vida... Um abraço, FA!

      Excluir
  2. O que faço é o seguinte: faço o meu e fico de boa. Se sobrar tempo ótimo. Se enrolar no que tenho que fazer posso me prejudicar, mas caso eu faça todas as minhas obrigações não fico procurando o que fazer, vou pro meu canto e fico de boa... vou ler algo, estudar ou fazer alguma outra obrigação pessoal e particular que eu tenha, mas ficando sempre alerta para o caso de surgir uma nova atividade que é minha obrigação. Tem muito nego bobão que quando não tem o que fazer fica circulando pela empresa caçando alguma coisa pra mostrar serviço para os chefes esperando ser reconhecido (e nunca são, claro...) e com esse comportamento idiota acabam arranjando problemas pra si e também para os outros que ficam de boa como eu. Sou pago y pra fazer x, então assunto encerrado. Esse papinho de ser pró ativo e os caralhos só existe na boca de chefe que quer fazer o funcionário de trouxa pra trabalhar mais do que deve com esperanças de ganhar algo em troca. A única maneira de crescer profissionalmente e em salário é estudar e ser bom no que faz, ai então quando surgir oportunidade procurar um emprego melhor que pague mais e reconheça suas habilidades logo de inicio. Pode até acontecer um reconhecimento onde você já está, mas é coisa rara. O que mais se vê é o inverso, nego que não faz nem suas obrigações direito ser promovido por nepotismo ou favoritismo...

    Abraço Funça!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Tirano! Eu também fico na minha, o problema é que tem esses carmas que querem se mostrar pros chefes tetinhas e esse tipo de coisa sempre sobra para a gente, aí o fardo fica mais pesado.

      Quanto a crescer profissionalmente, disse tudo e acrescento o QI. Se você faz muito bem feito, as pessoas enxergam. Um abraço amigo!!!

      Excluir
    2. Morcegar não é nem técnica, nem arte, é vagabundagem mesmo.
      E outra, funcionários que quando terminam o seu trabalho e buscam ficar no seu canto são vagabundos igualmente, pois poderiam ajudar os colegas ou perguntar ao superior se existe mais alguma coisa a ser feita, deveria ficar atento ao ditado de que uma mão lava a outra e duas batem palmas, ou seja, não é ajudar sem pedir nada em troca, mas ajudar de forma a garantir créditos, pois quem não é visto não é lembrado, estudo é importante, mas o social é ainda mais importante.
      Criticar a pró atividade é típico de pessoas medíocres que gostam de discurso senso comum e que nunca ascenderão na vida, serão sempre medianos, sempre estarão criticando os outros, mas não farão nada pra mudar, afinal, o meu trabalho é x, por qual motivo vou fazer y? São pessoas limitadas que não acrescentam em nada.
      O que vale é a estratégia.

      Excluir
    3. Belo manual de como se tornar um funcionário baba ovo e puxa saco, hein anon 04:47! Parece que o tirano arranjou um admirador secreto rs.

      Excluir
    4. 07:00 - muito pelo contrário, o 04:47 é o próprio tirano deslogado.
      Esse cara é um doente mental, ele fica criando pseudo perseguições só pra forçar moderações nos blogs e afastar os bons comentários, o tirano se finge de amigo quando comenta logado, mas avacalha nos comentários deslogados, essa tática do tirano foi desmascarada lá no blog do PD, bem como mostraram os perfis fakes do tirano lá.

      Excluir
    5. Sou o anon 07:00
      Esse papo de acusar qualquer um de comentar deslogado é tosco por falta de ter como provar. Eu mesmo posso ser o PD, o tirano, o Kraf, o Paul D. Silesi, tanto como posso ser até você mesmo anom 08:02 aliás você mesmo pode ser qualquer um destes que citei. Pode ser o Batman, a Dilma, o Bolsonaro, o Maluf, o Goku, Deus, o Mark Zuckerberg... pode ser até esse cara que vive de perseguição com o tirano. o blog dele é antigo, acompanho faz anos e nunca teve historico de fazer isso. Se tomou a decisão de proibir anônimos foi muito bem feito, e se aconselha os demais blogs a fazerem o mesmo só está fazendo um favor aos seus donos em alerta-los sobre a loucura e insanidade que se espalha através de comentários sem identificação.

      Excluir
    6. Anons, não fiquem alimentando o troll do tirano, não prejudiquem os blogs alheios, é justamente isso que ele quer, só pelo fato do blog dele ser muito ruim quer estragar o blog dos outros, o cara fica o dia todo na internet, é só mais um mitomaníaco, não gastem tempo com esse maluco vagabundo.
      E 07:00 e 10:01 não existe perseguição contra o tirano, ele mesmo que fica hateando os próprios comentários, comenta logado e depois fica se atacando deslogado, como já foi dito pelo anon acima, ele foi desmascarado lá no blog do PD.

      Excluir
  3. Trabalhei algum tempo em uma empresa de engenharia que tinha um departamento especializado em construir hipermercados e entregar a obra para a inauguração em exatamente 90 dias.

    Não lembro se em SC ou no RS, tinha um ajudante da terceirizada de alvenaria que passava o dia todo andando pela construção com um carrinho de mão vazio para não pegar trampo pesado.

    Felipe Souto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas que malandro, bicho!!! O foda mesmo é que esse tipo de gente normalmente se dá bem!

      Um abraço Felipe!

      Excluir
  4. Respostas
    1. É, Uó, infelizmente... País doido. Um abraço!

      Excluir